Fechar
Um guia com 14 páginas
que vão te colocar a par do mundo do mosaico contendo todos os parâmetros para a boa escolha de uma obra para seu espaço.
Receba novidades
da Mosaico!
Receba também

A APRESENTAÇÃO

O que você precisa saber sobre mosaico.

Blog da Mosaico

Mosaico A Imagem Do Universo

Mosaico A Imagem Do Universo

Mosaico, a imagem do universo 
Texto feito com a revisão de Julio César Adam para a Revista TEAR. 
 
 Leonardo Martins Posenato 


O mosaico é uma arte milenar utilizada por diversos povos desde a antiguidade 
até hoje. Os mosaicos sempre fizeram parte da humanidade, qualquer que 
tenha sido sua cultura e religião. O uso dos fragmentos, como técnica básica 
do mosaico, faz dele uma maneira de expressar a vida do cristão em sua 
transitoriedade e incompletude. O mosaico contém conceitos sobre a nossa 
existência, e nele estão escritas de forma didática e simbólica, as leis que 
regem nossa vida. 
O primeiro paralelo filosófico entre a arte do mosaico e a existência é o fato de 
o universo ser uma composição em fragmentos. Observe a estrutura de uma 
árvore, por exemplo, com seu caule craquelado e inúmeras folhas. Ao se 
aproximar destas folhas, você verá inúmeras subdivisões feitas pelos veios e 
ranhuras . Se você olhar mais de perto ainda, observará que estas subdivisões 
se repetem em escala cada vez menor, até entrarem em escala molecular e 
atômica, hoje visíveis através de aparelhos. O universo é pura composição de 
fragmentos! 
Concebido este paralelo, podemos adentrar a ideia de que somos um pequeno 
fragmento num grande corpo. Somos parte indissolúvel deste universo. 
Podemos compreender que cada construção interna ou externa em nossa vida 
acontece pela justaposição, a cada instante, de pequenos gestos. Este paralelo 
lembra-nos também de que somos parte importante do todo e que o todo é 
feito de muitas partes, assim como o mosaico somente existe com todos os 
seus fragmentos. 
Foi com este pensamento que diversos povos foram avançando nas técnicas e 
adaptando a arte do mosaico ao seu entendimento e à sua simbologia. Mas o 
conceito fundamental do mosaico permanece imutável, por traz das técnicas e 
peculiaridades de cada cultura, é em si um símbolo forte, lembrança de que 
fazemos parte importante neste universo. 
Assim, o egípcio concebeu o mosaico para fazer talismãs utilizados como 
peitorais ou braceletes, usando abundantemente pedras preciosas, pois acreditava que elas continham propriedades energéticas e protetoras. Nesta 
época, o mosaico era chamado de “arte cristalizada”. 
Aprendendo inúmeras artes com os egípcios, os gregos retomaram o mosaico 
utilizando cubos de pedras, os quais chamavam de tesselas. Neste período, o 
mosaico recebeu, quando colocado no piso, o nome de tapete musivo. O termo 
“mosaico” significa “pertinente às musas.” 
Os romanos difundiram o mosaico por todo o império. Na maior parte das 
vezes, adornava pisos de casas particulares, termas e templos. 
No período bizantino, o mosaico passa a ser feito com mais precisão. O 
material passa a ser o vidro colorado, e a composição recebe um fundo 
dourado feito com uma lâmina de ouro entre duas de vidro. O mosaico nos 
templos representava os céus, adornando cúpulas e absides, santos e anjos. 
No piso desenvolveram-se diversas técnicas, e começava a profusão de 
labirintos em mosaico, como uma forma de representar a peregrinação da vida 
cristã. 
Na Idade Média, houve diversas variações do mosaico bizantino, e, no período 
barroco, houve um renascer das técnicas clássicas, mas com mais vida, cor e 
variedade de formas. 
Hoje vemos, na arte contemporânea, um compêndio de diversas técnicas e 
estilos. Muito do desenvolvimento nesta área se deve às tecnologias dos 
softwares que possibilitam projetos mais avançados e ao uso de materiais que 
possibilitam técnicas inovadoras e novos tipos de fragmentos. 
Nosso ateliê é conhecido por resgatar técnicas milenares e sua simbologia, e 
ao mesmo tempo lançar mão do uso da tecnologia disponível para avançar a 
arte musiva. Tecnologia na execução de projetos utilizando o computador e 
seus softwares e tecnologia de materiais utilizando colas inovadoras. Isto 
possibilita a execução de grandes fachadas, grandes pisos ou cúpulas. 
 
 
Projeto 
Um campo ao qual dedico minha vida é o aperfeiçoamento da arte do mosaico 
através do uso das ferramentas, de projetos e de design. Recentemente, 
exploramos o mosaico bizantino criando padrões de piso que podem ser 
colocados em locais diversos, inclusive em locais de culto. O embasamento nos designs da época, com o auxílio do projeto, permitiu criar um modelo 
geometrizado do esquema bizantino. 
 
Seguindo padrões do mosaico bizantino, observe-se que uma das 
características é a alusão à Trindade através da flor de lis com três pétalas, do 
semicírculo onde estão embutidos outros dois semicírculos e do trevo de três 
folhas. 
Recentemente, concluímos a fachada do Santuário Medianeira, em 
Veranópolis, obra do arquiteto Júlio Posenato. É um templo com uma forma 
especial, octogonal, com treliças em madeira à vista. A fachada é um frontão 
com base de aproximadamente 12 metros. O tema para a fachada foi “as 
Bodas de Caná”, cena do primeiro milagre de Cristo, primeira aparição de 
Maria na Bíblia, um casamento onde, na falta do vinho, Cristo transformou 
água em vinho. 
Para obter o resultado da perspectiva da cena onde ocorreu o milagre, o 
interior de uma casa em pedras, respeitando as inclinações diagonais do 
frontão, precisamos utilizar como ferramenta de projeto arquitetônico o software 
CAD. Somente assim puderam se geometrizar as linhas, o formato das pedras, 
as janelas e, a partir dos desenhos feitos nestes softwares, retirar as 
dimensões com precisão para cortar as pedras do mosaico. Projeto no Software CAD para a fachada do 
santuário


 Fachada do Santuário Nossa Senhora Medianeira – Veranópolis – RS 

 


 
Colocamos várias simbologias neste mosaico. Uma delas foi expressa por uma 
porcelana tingida de ouro 12 quilates colocada nas mãos de Cristo, 
simbolizando o imenso poder que ele tinha em suas mãos para fazer vários 
milagres, como as curas. A surpresa de algumas pessoas contrastou com o 
espanto de outras, quando se deram conta do milagre. Estes rostos foram 
inspirados em pessoas da comunidade, como se os próprios membros 
participassem do acontecimento de Cana. O rosto de Cristo expressa muita 
amabilidade, lembrando-nos sempre que os céus estão de braços abertos para 
nós, através do seu amor. 
Tecnicamente, a execução de grandes mosaicos é muito complexa. Este 
mosaico, que tem aproximadamente 12 metros de base por 2,5 metros de 
altura, foi dividido em 15 pedaços de aproximadamente 1 metro quadrado 
cada. Cada uma dessas partes foi executada em bancada separada, sendo 
unidas depois no local, no dia da colocação. Fizeram-se os ajustes entre as 
partes, e a finalização foi feita com vernizes protetores. 
 
10 anos de trabalho 
Comemoramos recentemente 10 anos de atividade com o mosaico. E, nestes 
anos, os trabalhos que nos deram sempre muito prazer foram os de arte sacra. 
O que mais nos agrada é a questão metafórica do mosaico em si e os símbolos 
utilizados. O símbolo é um referencial material de um conceito imaterial, a 
imagem de um símbolo muitas vezes nos ajuda a entender o que não 
percebemos conscientemente e a absorver aos poucos uma ideia mais sutil 
sobre a nossa existência. 
Quando nos é colocado o desafio de criar alguma arte sacra, faz parte de sua 
criação uma extensa pesquisa e fundamentação. Esta é feita e apresentada à 
comissão selecionada e ainda recebe muitas intervenções da comissão e da 
comunidade específica. É muito importante ser fiel à história para não criar 
referências falsas, e também ser fiel à simbologia para que se obtenha uma 
imagem eficaz. No caso das “Bodas de Caná”, por exemplo, a pesquisa se 
estendeu ao estudo da cerâmica romana, que era utilizada, na época, naquela 
região. Pesquisaram-se sobre seu formato e sua coloração, pequenos detalhes que fazem a diferença, pois é muito importante que mantenhamos a fidelidade 
histórica na cena. 
Outro caso interessante que recebeu uma pesquisa de simbologia apurada foi 
a fachada da torre de uma igreja em Salvador do Sul/RS. Esta traz a 
representação de Nossa Senhora Conquistadora, que remonta a uma 
simbologia dos jesuítas, conquistadores de corações através da pregação. 
Além da imagem de Nossa senhora, foram utilizados símbolos específicos dos 
jesuítas, como o coração com a cruz e o IHS1
, colocados em medalhões. Estes 
símbolos foram projetados a partir de fotografias feitas por nós no sítio 
arqueológico de São Miguel das Missões. O céu estrelado foi inspirado nos 
mosaicos bizantinos das abóbadas do Mausoléu de Gala Placidia, em 
Ravenna, e os anjos nos da Catedral Metropolitana de Porto Alegre. O formato 
também foi um grande desafio, tanto no projeto quanto na execução, mas 
tínhamos instrumentos e técnicas para realizar inclusive absides e cúpulas. 
 
1
 Iesus Hominum Salvator, ou seja, Jesus salvador dos homens. Também foi 
uma sigla usada em estandartes, referindo-se a Jesus: InHocSigno, ou seja, sob 
este signo. Mais tarde, foi usado pela ordem católica dos jesuítas, com o 
seguinte significado: Iesum habemus Socium, ou seja, temos Jesus como 
aliado. 
  


Nossa Senhora, Cruz de duas hastes, coração com a cruz, IHS e anjos. O da 
direita com semblante europeu e o da esquerda com semblante indígena. 
 
  


A vindima dos Amorins – Vinícola Salton - Bento Gonçalves RS 
Releitura dos mosaicos da Basílica de Santa Costanza em Roma – Amorins 
(cupidos), parte do cortejo da deusa Vênus, trabalham em equipe colhendo as 
uvas, transportando e fazendo o vinho.  

 


Cristo Triunfante– Cemitério em Carlos Barbosa/RS 
  
Templo de Cristal. Acervo do Artista 
 
 
 
Muitas vezes, pedem-nos pequenos símbolos ou letreiros para decorar algum 
ponto do santuário, cemitério, fonte batismal, lugares onde o mosaico é tradicional. Para cada espaço existe uma técnica, seja em materiais, seja em 
colas e projetos. Observamos as áreas internas e externas, a incidência de luz 
e os elementos da natureza. O fato é que o mosaico cria um ponto focal no 
espaço, um ponto de contemplação, e, com sua simbologia, conceitos são 
transmitidos através dele, assim como pensamentos podem ser direcionados e 
ideias podem ser escolhidas. Muitas vezes, as escolhas dos temas são 
intuitivas, às vezes óbvias, mas o que permanece é sempre um ponto focal, 
acessível a todos que por ali passam. E, como o mosaico já tem um apelo 
visual muito forte, ele não passa despercebido. Ele encanta a todos. A 
execução de uma obra que, um dia nasce e vive com promessas de eternidade 
é uma grande responsabilidade. O mosaico é uma arte eterna: os cristais ficam 
para contar nossa história para as gerações futuras. 
 
Leonardo Martins Posenato é arquiteto formado pela UFRGS e em mosaico pela Scuola 
Mosaicisti del Friuli, Spilimbergo/Itália, onde também trabalhou no ateliê uova 
Espressione Artistica nel Mosaico. Atualmente dedica-se à arte e produção de mosaicos, 
tendo já realizado diversas obras e exposições no Brasil e exterior. Contato pelo site 
www.mosaico.arq.br 
 
 
 
 

Deixe seu comentário